Versos do Alcorão Interpretados Erroneamente como Ensino de Violência

+A | -A


alcorao-big

A interpretação dos versículos do Alcorão é normalmente feita com referência aos aspectos históricos, gramaticais e temáticos dos versos.Alguns dos versos do Alcorão foram revelados abordando temas contemporâneos àquele momento da história, enquanto outros foram revelados abordando um princípio geral ou uma questão aplicável a todos os tempos e lugares. Todos os versos servem como orientação para os muçulmanos. O conteúdo dirigido a um local específico com pessoas específicas pode ou não aplicar-se a assuntos fora do âmbito dos versos. A não ser que os destinatários sejam elucidados, os versos do Alcorão não seriam interpretados corretamente. A má interpretação dos versículos do Alcorão ocorre quando os aspectos históricos, gramaticais e temáticos contextuais não são levados em consideração.Infelizmente, algumas pessoas erroneamente acusam o Islam de ensinar a violência baseando-se em uma compreensão inadequada de alguns versículos do Alcorão que foram realmente dirigidos a um grupo específico de pessoas, com um fundo histórico específico. Vamos explorar estes versos em função do seu enquadramento histórico e do assunto, a fim de trazer o seu significado e propósito correto.O primeiro a ser abordado é o versículo 191 do capítulo 2. Este versículo é mal interpretado como estando a comandar os muçulmanos a matar descrentes, cristãos e judeus. Para estudar esse versículo dentro de seu contexto histórico e assunto, precisamos considerar o versículo 190 também. Os versículos 190-191 dizem:{2.190 .

*“Combatei, pela causa de Allah, aqueles que vos combatem (inicialmente); porém, não pratiqueis agressão (causando mais danos ao seu inimigo do que os danos que inicialmente causou-lhe, ampliando, assim, o círculo da guerra), porque Allah não estima os agressores.”*}{2.191 . Matai-os onde quer se os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram (uma referência a coraixitas que por 14 anos vinham expulsando os muçulmanos de Makkah), porque a perseguição (que coraixitas fortemente incorreram a você) é mais grave do que o homicídio. Não os combatais nas cercanias da Mesquita Sagrada, a menos que vos (primeiramente) ataquem. Mas, se ali vos combaterem, matai-os. Tal será o castigo dos incrédulos (na santidade do Santo Santuário da Caaba).}Al-Baqarah 190-191Considerando-se a história em torno desses versos, aprendemos que foram revelados após o tratado de paz de Hudaybiyah assinado entre os idólatras entre os coraixitas e os muçulmanos no ano seis após a emigração, e antes da realização de uma das condições do tratado. Essa condição afirma que os muçulmanos visitariam Meca e realizariam a peregrinação menor no ano seguinte. Na época de realizar a peregrinação menor no ano seguinte, alguns muçulmanos estavam preocupados que os coraixitas poderiam não cumprir a sua promessa de permitir que os muçulmanos entrassem em Makkah e, inversamente, atacá-los durante a realização de seus rituais. Esta preocupação legítima, de fato, foi respondida por Allah nos versos acima. No caso de os coraixitas quebrarem o acordo de paz de Hudaybiyah, atacando os muçulmanos durante a peregrinação, só então os muçulmanos seriam ordenados a se defender e receberam os detalhes de como agir no campo de batalha.Os muçulmanos foram orientados a matar os idólatras onde quer que eles pudessem vir sobre eles e levá-los para longe de onde quer que inicialmente os enxotassem. Os muçulmanos também foram ordenados a preservar a antiga santidade do Santuário da Caaba ao não lutar nela {Mas combatê-los não na Mesquita Sagrada, a menos que eles [primeiro] lutem com você lá.} Observe no versículo 190 o sujeito do verbo “lutar” é a cláusula {aqueles que vos combatem (inicialmente)}. Esta cláusula descritiva está fazendo referência direta aos coraixitas e não poderia ser confundida com quaisquer outros do que os idólatras coraixitas.Da mesma forma, a primeira parte do versículo 191, o sujeito dos verbos “matar”, “superar” e “expulsar” é os coraixitas, que mais cedo haviam expulsado os muçulmanos de Meca. A segunda parte do versículo 191, no entanto, uma nova palavra descritiva, kafirin, é dada ao sujeito a-ser-morto por lutar na Mesquita Sagrada. A palavra kafirin (descrentes) pode ter dois significados possíveis:a.) Coraixitas, que é a referência no verso anterior e que também é o guardião do Santuário Sagrado;b). Pessoas específicas dos Coraixitas incrédulos na santidade milenar da Caaba que incorreram em violência dentro dela.

Se Coraixitas ou aqueles que não acreditavam na santidade milenar da Caaba lutarem com vocês, só então não sejam relutantes em matá-los.A maioria dos intérpretes do Alcorão tomou a palavra kafirin na segunda parte do versículo 191 como significando os idólatras dos Coraixitas como um todo. Outros intérpretes tomaram a palavra kafirin como aqueles que incorreram a violência dentro do Santo Santuário da Caaba dentre os Coraixitas. Dr. Fathi Othman em seu livro “Os Conceitos do Alcorão”, é um dos que tomou esta abordagem. A abordagem do Dr. Othman parece ser a mais precisa, uma vez que a retribuição de matança é feita com o assunto na segunda parte do versículo 191, aqueles que “não acreditavam na santidade” da Inviolável Casa de Adoração.Em qualquer caso, não pode ser tomada a palavra “descrentes” no versículo 191 como significando os cristãos ou judeus ou qualquer descrente que não os Coraixitas. Assim, a alegação de que o Islam ensina a violência é provada como falsa. Pelo contrário, muitos vêem estes dois versos como fundamento para a busca do Islam para a paz. De tal forma que, mesmo quando os muçulmanos foram ordenados a lutar em defesa própria, eles foram instruídos a praticar a guerra moral: Não comece uma briga, mas combatei pela causa de Allah, aqueles que inicialmente lutarem convosco, mas não transgredis limites ampliando o círculo de guerra. A palavra “limite” é interpretada pela maioria dos estudiosos como “limitar a perda do inimigo apenas para o seu próprio.” Qualquer perda mais além disso é considerada uma transgressão. Assim, o versículo ensina os muçulmanos a não iniciar hostilidade, e a usar técnicas para parar a hostilidade se a guerra já começou.Causar mais danos ao inimigo é um convite a mais violência.

Além disso, o Alcorão comanda os muçulmanos que se os adversários se inclinam para trégua, eles devem buscar o fim das hostilidades. Allah disse:{Se eles se inclinam à paz, inclina-te tu também a ela,} (Al-Anfal 8:61)

Refletindo sobre este ensinamento islâmico fundamental, Karen Armstrong, em seu livro “Muhammad uma biografia do Profeta” afirmou:“O Alcorão ensina que a guerra é sempre abominável. Os muçulmanos nunca devem iniciar hostilidades, … mas, depois de terem tomado uma guerra, os muçulmanos lutam com o compromisso absoluto de trazer a luta ao fim o mais rápido possível.” (209)

Estudar os versos do Alcorão à luz do seu contexto histórico é uma questão cada vez mais importante na compreensão do Islam, seu povo e sua cultura.

O segundo verso a ser examinado é o versículo 5 do capítulo At-Tawbah, ou Declaração de Dissociação. A fim de fazer um estudo justo do verso, mais uma vez, o seu contexto e assunto devem ser considerados juntamente com outros versículos que foram revelados com ele. Consideração adicional deve ser dada a eventos e ao período de tempo em que estes versículos foram revelados.

Purificando Meca: O Centro de Orientação para todos os muçulmanosO capítulo 9, a Declaração de Dissociação, foi revelado ao Profeta Muhammad ? durante a segunda temporada de peregrinação depois da abertura de Meca.

O assunto dos primeiros vários versículos deste capítulo foi dissolver todas as obrigações do tratado, com poucas exceções, com os idólatras dos coraixitas, incluindo o Tratado de Hudaybiyah.

O Tratado de Paz de Hudaybiyah foi quebrado após o ataque que os coraixitas realizaram contra uma das tribos da confederação dos muçulmanos. Após a violação do Tratado de Hudaybiyah, o Profeta ? liderou um exército de 10 mil pessoas e pacificamente entrou em sua cidade natal Meca sem derramamento de sangue. Então, o Profeta ? perdoou os cidadãos de Meca, os quais, como um todo, abraçaram o Islam e os 360 ídolos ao redor da Caaba foram destruídos.Alguns dos habitantes de Meca, contudo, ainda praticavam a adoração de ídolos. Algumas das tribos residentes em torno de Meca, que não abraçaram o Islam, traziam seus ídolos junto com eles para a Mesquita Sagrada para adoração durante a temporada de peregrinação. Havia outras tradições de adoração aos ídolos, como a remoção total da roupa durante o cumprimento ritual.

Uma tradição da peregrinação de adoração aos ídolos era remover todas as roupas que eles tinham usado durante o cometimento dos pecados, para que a sua peregrinação fosse aceita por Allah. Estas tradições estariam em conflito com as normas islâmicas da decência, de espiritualidade e de finalidade da peregrinação. Após a abertura de Meca, o Profeta Muhammad ? não compareceu a duas peregrinações seguintes na mesma. Talvez, as razões para isso tivessem sido o fato de que ele tinha que dar tempo suficiente para aqueles que não aceitaram o Islam avaliassem a sua situação e reconhecessem o valor e as dimensões do Islam. O processo de mudança de costumes e hábitos leva tempo. Se este processo natural fosse violado, problemas e violência poderiam ocorrer, portanto, o Profeta ? conseguiu, em conformidade, as chances de paz, provando uma vez mais a luta do Islam pela paz. No entanto, depois de dois anos a partir da abertura de Meca e durante a segunda temporada de Peregrinação, Allah revelou o capítulo da Declaração de Dissociação, que entre outras coisas, dirigiu-se ao encerramento total da idolatria e em torno da cidade de Meca. Meca, que detém a fé primordial de Abraão e de toda a humanidade, deve ser o centro sagrado de orientação de todos os muçulmanos. O processo de devolução de Meca para seu santuário original foi feito em várias etapas, uma das quais é usada por alguns ocidentais para acusar o Islam de ser uma religião que ensina a violência. Aqui estão os passos descritos nestes versos:

1. Anunciar aos peregrinos, liderados por Abu Bakr, que Allah e Seu Profeta ? dissociaram-se dos idólatras, que violaram os acordos de paz e que não haverá mais acordos feitos entre os muçulmanos e os idólatras no futuro.

2.Qualquer acordo existente (ou parte dele) com os idólatras, como aquele com as tribos de Nadhir e Kenanah, devem ser cumpridos até o seu tempo determinado ou até que eles violem o acordo.Devemos fazer uma pausa aqui para observar a busca do Islam pela paz e justiça, continuando a honrar o acordo de Hudaybiyah com as tribos de Nadhir e Kenanah, que não colaboraram com coraixitas a infringir o tratado de paz.

3.Não haverá mais idolatria nos lugares sagrados (Meca e Mesquita Sagrada). Nota: a santidade de Meca em relação a muçulmanos é muito parecida com a Cidade do Vaticano em relação aos cristãos

4. Um período de quatro meses será dado como um alívio para aqueles que optaram por continuar adorando ídolos, para deixar os lugares sagrados ou abraçar o Islam,

5. Uma severa advertência de guerra real, após o período de trégua contra os idólatras que insistiram em ficar nos lugares sagrados e se recusaram a aceitar o Islam. É este versículo e sua severa advertência aos idólatras que são mal utilizados hoje para acusar o Islam de pregar a violência e matar descrentes, cristãos e judeus.

Vamos agora ler os versículos um a cinco do capítulo nove, a Declaração de Dissociação, para ilustrar este mal-entendido e mostrar as verdadeiras perspectivas do verso.{Esta é uma declaração de imunidade dirigida aos idólatras (mushrikin) por Allah e Seu Mensageiro.Percorri livremente (Oh incrédulos idólatras) a terra durante quatro meses. Mas sabei que não podereis reduzir Allah à impotência. Ele aviltará os descrentes.E esta é uma advertência de Allah e de Seu Mensageiro aos homens no dia da grande peregrinação (Hajj): Allah e Seu Mensageiro eximem-se dos idólatras. Se vos arrependerdes, será melhor para vós. Se virardes as costas e vos afastardes, sabei que não reduzireis Allah à impotência. E anuncia um castigo doloroso aos descrentes.Com exceção dos idólatras com quem firmastes uma aliança (limitado pelo tempo ou condições designados) e que não vos tem faltado nem tem secundado outros contra vós. Respeitai vossos compromissos para com eles até o fim do prazo. Allah ama os homens de bem (que estão plenamente conscientes Dele).Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, matai os idólatras onde quer que os encontreis e capturai-os e cercai-os e usai de emboscadas contra eles. Se se arrependerem e recitarem a oração e pagarem o tributo, então libertai-os. Allah é perdoador e misericordioso.} (At-Tawbah 9: 1-5)Para remover o mal-entendido, dois pontos básicos devem ser abordados aqui. Em primeiro lugar, o significado múltiplo da palavra árabe “mushrikin”, e também o mecanismo islâmico para a prevenção da guerra por meio de ameaça grave.

O significado múltiplo da palavra árabe “mushrikin”A palavra mushrikin que encontramos nos versos acima é o plural da palavra mushrik, a partir do verbo base shirk. Shirk no sentido religioso é adorar “outras coisas” ao lado de Allah. “Outras coisas” podem ser ídolos, pessoas, coisas materiais, como dinheiro e riqueza, e pode até mesmo ser a posição e poder. Do português, a palavra comum para shirk é politeísmo. No versículo acima, no entanto, a palavra mushrikin se aplica aos idólatras de Meca e não pode ser interpretada como sendo os cristãos e os judeus.Para cumprir com os aspectos contextuais da interpretação de lugar, tempo e assunto, mushrikin neste caso só deve ser traduzido como “idólatras dentre os Coraixitas” que são o assunto dos versos acima e a quem a declaração de dissociação foi direcionada.

Infelizmente, algumas traduções inglesas do Alcorão erroneamente traduziram da palavra acima “mushrikin”, em sua forma genérica como “politeístas”, criando assim um grande problema, especialmente entre o público da leitura não-árabe. É bom notar que as traduções de Yusuf Ali, Pickthall e M. H. Shakir que estão entre as traduções mais confiáveis, deram com precisão o significado de mushrikin como ‘idólatras’ neste contexto.Uma e outra vez, o Alcorão insiste que os adeptos do Livro (cristãos e judeus) devem desfrutar de um tratamento especial dos muçulmanos e que o Islam não anula os ensinamentos dos apóstolos anteriores, como Adão, Noé, Abraão, Isaac, Ismael, Jó, Moisés, David, Salomão e Jesus. Consequentemente, não é possível que o versículo 2:191 possa ser lido como implicando a morte de cristãos e judeus.

Vamos relacionar alguns dos versos que chamam para um tratamento especial do Povo do Livro.{…assim como vos é lícito o alimento dos que receberam o Livro, da mesma forma que o vosso é lícito para eles} (Al-Ma’idah 5: 5) Um homem muçulmano é permitido tomar em casamento, a relação mais íntima e um laço sagrado, uma mulher judia ou cristã:{Está-vos permitido casardes com as castas, dentre as fiéis, e com as castas, dentre aquelas que receberam o Livro antes de vós, contanto que as doteis e passeis a viver com elas licitamente, não desatinadamente, nem as envolvendo em intrigas secretas.} (Al-Ma’idah 5: 5)

{Os adeptos do Livros não são todos iguais: entre eles há uma comunidade justiceira, cujos membros recitam os versículos de Allah, durante a noite, e se prostram ante o seu Senhor.} (Al-Imran 3: 113){Os fiéis, os judeus, os cristãos, e os sabeus, enfim todos os que crêem em Allah, no Dia do Juízo Final, e praticam o bem, receberão a sua recompensa do seu Senhor e não serão presas do temor, nem se atribuirão.} (Al-Baqarah 2: 62)

O Mecanismo islâmico para a Prevenção da guerra por meio de grave ameaça Semelhante à filosofia islâmica de punição severa para a prevenção do vício e da corrupção, o Alcorão usa a crença de grave ameaça de guerra para evitar uma guerra real. O efeito psicológico da guerra grave nas pessoas faz com que elas mudem ou se comprometam, a fim de eliminar a guerra. Esta política de evitar a guerra pelo simples fato de sua ameaça ser muito parecida a evitar uma multa de trânsito por causa de sua pena severa. Esta técnica parece funcionar bem.É justo, em alguns casos, como no exemplo acima, onde a maioria dos cidadãos de Meca tinham aceitado o Islam e um longo tempo foi dado para as pessoas que não se converteram a reexaminar suas crenças na adoração de ídolos. Os idólatras foram ameaçados de guerra se não se afastassem de Meca ou se eles continuassem a adoração de ídolos dentro da cidade sagrada. Esta diplomacia de ameaça evitou a guerra, e, consequentemente, ninguém deixou Meca. Assim, a linguagem diplomática de ameaça de guerra no versículo 9:5, lida com a restauração de Meca para a sua santidade original que serviu como uma ferramenta psicológica para impedir a guerra.O terceiro verso a ser explorado é o versículo 29 do capítulo 9. O verso estabelece que o Povo do Livro residente em um Estado islâmico, que estão isentos de defender o Estado, deve pagar uma taxa de isenção de obrigação de defesa chamada jizyah. Se eles se recusarem a pagar a jizyah, então o Estado é obrigado a obtê-la pela força. O versículo diz claramente:

*{Combatei aqueles que não crêem em Allah e no Dia do Juízo Final (apesar de terem o livro (outrora), nem abstêm do que Allah e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião daqueles que receberam o Livro, até que, submissos, paguem o Jizya (por aqueles que possam pagá-lo, e reconhecem sua sujeição (ao Estado).}*

(At-Tawbah 9: 29)A natureza deste versículo que diz respeito à luta não é antagônica por causa da etnia, mas sim sobre questões monetárias e regulatórias dentro do Estado. Uma política semelhante é aplicável aos próprios muçulmanos quando eles se recusam a pagar as suas dívidas ao Estado. Da mesma forma os cristãos e os judeus são obrigados a pagar o jizyah estatal, os muçulmanos são obrigados a pagar o zakat estatal. Zakat é uma forma de tributação semelhante ao imposto que a maioria das pessoas tem de pagar para seus respectivos Estados. De maneira semelhante ao caso da jizyah em relação aos adeptos do Livro, se os muçulmanos também se recusarem a pagar o zakat, então o Estado é obrigado a obtê-lo pela força. Um exemplo disso foi o caso dos Murtaddin, várias tribos, que, durante o governo do primeiro califa Abu Bakr se recusaram a pagar o zakat, uma guerra foi conduzida contra eles, até que pagaram, e reconheceram a sua sujeição ao Estado.Em conclusão, a noção de que o Alcorão ensina a violência intolerante é falsa. O tecido do Islam está enraizado em conceitos e filosofias pacíficas.

As provas são irrefutáveis ??quanto à aceitação do Islam e atenção especial para o Povo do Livro. E, como, para aqueles que adoram pedras, o Islam estabeleceu que eles devem abandonar a sua prática e se arrepender. Mas se eles insistirem em sua prática da adoração de ídolos, ela não deve ser realizada dentro da Casa Sagrada da Caaba, o ponto de orientação de todos os muçulmanos e a fé primordial de Abraão.

Esclarecimentos sobre interpretações no contexto histórico correto e mais diálogo vão promover a boa vontade e compreensão entre todos os povos.

 

Trabalhos citados:Karen Armstrong. Muhammad, uma biografia do Profeta. EUA: HarperCollins, 1993Este artigo apareceu pela primeira vez no Instituto de Estudos Árabes e Islâmicos

É republicada com a devida permissão do autor.

Publicado pela primeira vez em fevereiro de 2013.

compreendaoislam.blogspot.com

1578
votar
Thanks!
An error occurred!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *